As palavras do irmão Boris ressoam com todos os artistas

Os Fabelmans é um dos maiores filmes de 2022, e o evento que tem mais espaço por trás de sua história é aquele em que o Irmão Boris (Judd Hirsch) as palestras de Sammy Fabelman (Gabriel LaBelle) sobre a vida difícil, mas recompensadora de um artista – uma cena com a qual qualquer artista em dificuldades pode se relacionar. Embora haja uma grande maioria Steven Spielbergs novo na narrativa de seu próprio crescimento e dissolução do casamento de seus pais, ele também cai no campo dos maiores cineastas que fazem filmes de cinema. Embora a jornada de Sammy Fabelman no cinema tenha sido inicialmente vista através de lentes emocionantes e dramáticas, foi quando o irmão Boris entrou no filme no meio de sua execução que Spielberg revelou a verdade a todos. A autobiografia de Boris sobre a vida do artista é ao mesmo tempo engraçada, interessante, reflexiva e triste. Não importa se você é um aspirante a músico, pintor, poeta, cineasta ou um artista que se interessa por vários meios, uma peça bem trabalhada e lúdica certamente tocará cada mente criativa.


Como o irmão Boris entrou em ‘Fabelmans’?

Gabriel LaBelle e Judd Hirsch conversam em uma cena de Os Fabelmans.

Os Fabelmans é o novo filme de Steven Spielberg, que narra seu crescimento com foco específico em seu crescente amor pelo cinema, bem como no difícil casamento de seus pais. Michelle Williams nós tínhamos Paulo Dano levou Mitzi e Burt Fabelman, personagens substitutos dos pais de Spielberg, em duas das muitas atuações dignas do Oscar. Suas ações são a espinha dorsal do filme e, embora a jornada de Sammy para se tornar uma lenda do evento na história do cinema seja emocionante, sua história dá ao filme uma base melancólica e, em última análise, destrutiva. Embora Williams e Dano sejam realmente ótimos aqui, ninguém no filme merece mais elogios e elogios por seu trabalho do que Judd Hirsch como o irmão mais novo de Mitzi, tio Boris.

Boris chega inesperadamente à nova casa dos Fabelman em Phoenix, Arizona, na metade do filme. Embora Mitzi tenha medo de interagir com ele no início, ele acabou se revelando um cara legal, então eles o deixaram passar a noite em sua casa. Eles logo descobrem que ele é um ex-domador de leões e trabalhou na indústria cinematográfica, algo que intriga Sammy e dá a eles a chance de se relacionarem. Embora a atuação de Hirsch como Boris comece bem fácil, entregando a atuação que você esperaria de um ator interpretando um membro distante da família, é quando ele e Sammy têm a chance de discutir a imagem que sua atuação realmente brilha. Aqui, seu personagem passa de excêntrico a uma figura amorosa, amada e trágica, com uma cena em particular dando o tom não apenas para a vida de Sammy Fabelman seguir em frente, mas falando profundamente para todos os aspirantes a ator na platéia.

discurso de Boris

Judd-hirsch-the-fabelmans
Imagem da Universal

Quando a noite chega ao fim, Boris relaxa e coloca um catre no chão do quarto de Sammy. Com os dois passando um tempo sozinhos, suas conversas sobre arte e a vida que ela proporciona tornam-se mais focadas e específicas. Sammy expressou seu entusiasmo pelo cinema e conhecia muito bem as experiências de seu tio como artista. O diário de Boris começa com um sincero amor e esperança por tudo o que a natureza tem a oferecer. Ele conta suas histórias anteriores que desenvolvem seu personagem de maneiras que o público não pode prever, mas o que realmente sai do campo esquerdo é a verificação da realidade com que Boris atinge Sammy. A atuação de Hirsch é tensa quando ele avisa Sammy sobre as dores de ser um artista, estar longe de todos e de tudo que conhece, ter pouco dinheiro, perder o amor pela arte e ter que fazer a escolha por conta própria. família e arte. Hirsch como Boris não apenas chama a atenção de Sammy, ele agarra o público pelo pescoço e torna a expectativa de vida de um artista o mais absurda possível. Vimos que essa ideia atingiu Sammy como um caminhão, mas ficou claro que ele entendeu imediatamente – qualquer verdadeiro artista, aspirante ou aspirante, não pode se afastar do meio que ama. É nosso fardo carregar.

Todo e qualquer jogador que você assiste Os Fabelmans certeza de sentir um verdadeiro aperto no estômago durante o discurso de Boris. É um monólogo habilmente escrito por Spielberg e Tony Kushner que complementa os sacrifícios que os artistas fazem, dia após dia. Criatividade é remédio. Uma vez que alguém sente o gosto por uma forma de arte e percebe que gosta de qualquer que seja o processo criativo do método, ele nunca pode ser “desligado”. Claro, as necessidades podem desaparecer ou ir e vir, mas se você está no meio de um período de compromisso para, digamos, fazer música ou escrever contos, não pode deixar essa paixão ir embora. Todo artista tem alguém em sua vida que assume a forma de Burt Fabelman, o pai de Sammy. Burt aprova os filmes de seu filho e sua paixão por fazê-los, mas no final, ele realmente vê isso apenas como um hobby para Sammy. Ele apoiou o cinema de seu filho até que ficou claro que Sammy tinha grandes aspirações dentro do meio, então ele começou a usar a palavra “hobby” e a encorajar carreiras mais tradicionais. Sammy sabe que não tem escolha – sua imagem se tornou sua vida, goste ou não.

Fazendo um sacrifício em nome da arte

Sammy Fabelman olha para longe ao lado de um projetor no The Fabelmans
Imagem da Universal Pictures

Quem vê sua arte apenas como um hobby, algo para fazer para tomar um ar ou uma diversão para o tempo livre, com certeza entende os aspectos mais otimistas das palavras de Boris. Para quem é viciado em seu meio artístico, espera torná-lo mais do que um hobby e projetar sua vida em torno do design que ele proporciona, o evento não é apenas garantia de cortes incríveis de Hirsch, é uma bagunça. Arte, performance e o processo criativo são coisas que criarão obstáculos na vida, obstáculos que os não iniciados nunca entenderão. A arte requer viagens, dinheiro, flexibilidade e investimentos de todos os tipos – financeiros, emocionais e temporais. Se você está sempre procurando reabastecer sua criatividade, sempre procurando a próxima história para escrever ou a próxima produção na qual possa trabalhar, e o amor pela criatividade nunca desaparece, então você sabe que terá que fazer sacrifícios para isto. Alguns sacrifícios serão fáceis de fazer, outros mudarão sua vida, mas de qualquer forma, escolhas terão que ser feitas entre sua vida pessoal e sua arte. O irmão Boris é um exemplo perfeito de como a vida faz escolhas difíceis, tudo em nome da arte.

de Steven Spielberg Os Fabelmans é imperdível para artistas em todos os lugares. Além do fato de ser uma obra-prima simples e sem dúvida o maior filme de Spielberg até agora neste século, é simultaneamente uma investigação comovente e problemática da família e a história de um ator em ascensão destinado à grandeza. O fato de ambos os atores inspirarem e servirem como um conto de advertência sobre a vida difícil que a natureza oferece. Alguns são como Sammy, destinados a ser um dos grandes, enquanto outros se encaixam no molde de sua mãe Mitzi, silenciosamente surpreendente em sua arte enquanto lidam com as convenções da vida cotidiana. Seja Sammy ou Mitzi, todos temos jogadores que se identificam com as palavras de Boris. Nossa arte vai nos conduzir, nos inspirar, nos recompensar e nos quebrar todos os dias, mas é a vida que nascemos para viver.

RELATED ARTICLES

Most Popular