Detroiters merecem seu próprio renascimento do filme

Depois que a notícia estourou no início deste mês que Eu acho que você deveria sair A terceira temporada está oficialmente em produção para a Netflix, os fãs nas mídias sociais não podem deixar de implorar ao stream por um renascimento da sitcom consistentemente hilária, mas recentemente cancelada. habitantes de Detroit. Correndo por duas temporadas no Comedy Central entre 2017 e 2018 e sendo surpreendentemente digno de uma pontuação de 95% no Rotten Tomatoes, a comédia criada por Tim Robinson e seu parceiro de comédia, Sam Richardson ganhou novo interesse do público graças ao streaming ilimitado em seu destino final no Paramount +.

Mas, considerando o declínio de conteúdo original na TV em meio ao inconstante e implacável cancelamento de programas de programação a torto e a direito, pode ser impossível para a sitcom de 30 minutos encontrar seus pés na TV a cabo quatro anos após seu fim abrupto. Sem dúvida, o streaming é o lugar certo para tal show habitantes de Detroit mas não revivido como um programa de TV. Por falar nisso habitantes de Detroit Tendo alcançado suas classificações mais altas para seu piloto no Comedy Central em 2017 e mantendo-se estável com quase meio milhão de espectadores em sua primeira temporada, o programa infelizmente não conseguiu ganhar muito público em sua segunda temporada. finalmente caiu 26% na audiência na hora em que foi cancelado. Seguindo um processo semelhante em uma tendência de queda viz Região em sua quinta temporada na NBC (agora se preparando para seu próprio filme no Peacock em 2023), só faz sentido para Robinson e Richardson interpretá-los habitantes de Detroit retorna com um longa-metragem sem cortes, com cerca de 90 minutos, como uma pequena cápsula de um evento específico que abrange duas direções.

Com uma marca de comédia baseada em personagens que une dois idiotas adoráveis ​​administrando uma agência de publicidade que equilibra humor com coração e alma, habitantes de Detroit merece seu próprio filme sem arrastar a narrativa da qual a TV costuma ser culpada. A segunda temporada foi fenomenal e ruim Eu acho que você deveria sair enfatiza a mente estranha e maníaca de Robinson através de esboços curtos, habitantes de Detroit Serve ativamente como a definição de uma série complementar combinada Homens loucos tivemos meio-irmãosApresentar a alegria desenfreada de seu estilo cômico é a razão óbvia para um retorno de longo prazo à Motor City, mais cedo ou mais tarde.

Por que ‘Detroiters: o filme’ funcionará 100%

detroiters-tim-robinson-sam-richardson-film
Imagem da Paramount

Por décadas, vimos Hollywood recorrer à telinha em busca de inspiração para criar franquias de mega-sucessos de bilheteria que carregam nostalgia suficiente para aquele encanto glamoroso do cinema. Mas transformar séries de longa data em filme não é uma tarefa fácil e, embora muitos não esperem por suas origens (a menos fazenda tom e reinventou o Mensagem: Impossível franquia), habitantes de Detroit é aquele que pareceria muito natural se adaptado para um longa-metragem por causa da forte escrita dos melhores amigos de longa data Robinson e Richardson, junto com escritores Zach Kanin tivemos joe kelly. À medida que os filmes se tornaram mais épicos e específicos para deixar espaço para narrativas longas, habitantes de Detroit tenha a oportunidade de realmente elevar as histórias de sua equipe, transformando-as em um filme.

Mas primeiro, vamos definir “escrita poderosa” falando habitantes de Detroit não desencadeia conversas profundas ou avaliações interessantes da vida que rivalizam com Maya Angelou ou Noam Chomsky. Não é isso que Robinson e Richardson pretendem com esta série – e isso é bom, porque sua comédia é mais eficaz em contar uma verdadeira história cômica sobre dois melhores amigos cujo relacionamento um com o outro e seu ambiente é a base cômica do show. . Conseguir extrair o máximo possível do roteiro enquanto entrega 30 minutos hilários de comédia da velha escola que fará você rir da barriga, habitantes de Detroit mantendo um ritmo agudo e cuidadoso, sem encontrar solavancos na estrada. Original, bem articulado e sempre surpreendente, pois se inspira em anúncios locais da vida real, habitantes de Detroit é único por ter uma comédia que parece bastante primitiva em suas piadas e hilaridade. Veja, por exemplo, o jingle de uma peruca feita de cabelo humano, o carro futurista que dirige ou a verdade por trás da história que é tão identificável no episódio “Terceiro andar”.

Por mais forte que seja a escrita e brilhantemente interpretada, a comédia e a comédia pastelão que Robinson e Richardson compartilham com o público também confere leveza a situações desconfortáveis, ao mesmo tempo em que nos ajuda a encontrar um terreno comum por meio do humor para contar a verdade sobre uma situação. Veja, por exemplo, como Tim Cramblin (Robinson) se torna o zelador de uma viúva que não consegue fazer um sanduíche ou arrumar a cama. Embora esta temporada efetivamente use a comédia como um guia para a triste verdade, sabemos que, se um filme for lançado, continuaremos a ver o casal em sua maior diversão quando são desviados da trama e mergulhados em pura indiferença – assim como Tim fez uma cama de viúvo em seu corpo enquanto fumava. Ele disse que este é apenas um comediante inteligente que dá fé nele habitantes de Detroit essas piadas consistentemente engraçadas do filme, além da incrível generosidade de seu líder, que mergulha apaixonadamente em uma piada após a outra, sem medo de cair nas gargalhadas através da improvisação.

Sobre o que seria o filme ‘Detroiters’?

detroiters-movie-tim-robinson-sam-richardson
Imagem da Paramount

Após duas temporadas em que dois publicitários de segunda categoria administravam uma pequena agência em Detroit para comerciais locais cheios de piadas cafonas que achavam inteligentes, os dois se apaixonaram, passam cada minuto juntos e são a propósito, relacionado ao milagre. de casamento com Tim (Robinson) se casando com a irmã de Sam Duvet (Richardson), Chrissy, interpretada por Shawntay Dalon. Luz implacável e amizade inabalável e enraizada tendo como pano de fundo sua cidade natal, Detroit, um filme será muito mais dessas travessuras, além de sequências com dois personagens impotentes cavalgando para o pôr do sol juntos, de mãos dadas durante um momento assustador ou mesmo exaltando uns aos outros com as afirmações mais típicas do ensino médio – só podemos esperar. Mas também habitantes de Detroit‘ A segunda temporada oferece muito conteúdo após a promoção do evento semanal em sua primeira temporada, a possibilidade de um filme em vez de um programa de TV pode promover brevemente novas vantagens para enfatizar o relacionamento de Tim e Sam em sua comunidade e pessoas que estão em torno deles.

O público teve um gostinho disso em seus 20 episódios, mas mais na segunda temporada, onde aprendemos sobre a vida doméstica de Tim com Chrissy e conhecemos seu irmão Trevor (Connor O’Malley), enquanto você sabe como Sam sempre quis sossegar, mas seu melhor amigo sempre atrapalhava. Essa ideia se aprofunda no final da 2ª temporada, depois que Sam acredita que vai ser pai e decide deixar Cramblin/Duvet, para desgosto de Tim. Claro, tudo funciona, mas Sam não ficará feliz se não puder ter o que seu melhor amigo tem, e isso inclui relacionamentos. Claro, Tim mudou o nome da agência de Cramblin para incluir seu melhor amigo depois de anos trabalhando juntos, mas o negócio era muito curto para dois melhores amigos. Embora ainda haja incerteza sobre o que o enredo de um filme pode trazer, são essas pequenas sementes que os dois plantaram nas duas temporadas que nos dão um vislumbre das possibilidades.

Como a primeira temporada conseguiu preencher nossa visão do mundo Cramblin/Duvet com tantos personagens e estrelas convidadas que adoraríamos ver de volta em um filme como Jason Sudeikis (que atua como executivo) ou Cecília a Poderosaaprendemos que há mais neste mundo no final da 2ª temporada. habitantes de Detroit Quando o filme final acontecer, terá que seguir a sabedoria dos personagens idiotas e adoráveis ​​de Tim e Sam e trabalhar para enriquecer suas vidas fora da agência para obter mais profundidade e nuances, sem evitar as peculiaridades que tanto amam os fãs. Qualquer coisa menos irá falhar. Mas, conhecendo Robinson e Richardson, ambos são escritores impecáveis ​​que preenchem o programa com diálogos rápidos e confortáveis.

RELATED ARTICLES

Most Popular